quinta-feira, outubro 15, 2009

Comida da Tunísia



Ora, a tonta da escriba esqueceu-se de imortalizar o mais importante, Cuscus e um guisado que por lá se come muito. Na hora da larica, passa sempre qualquer coisa.
Isto são Kebabs, estou desconfiada que eram de borrego, porque não me estavam a saber lá muito bem.
A salada é recorrente, os nativos adoram courgette.




Mas o forte da comida do hotel eram mesmo os doces. Estes magníficos, ao almoço e jantar, fizeram as nossas delícias. Eram sempre variados e fantásticos.
Ao pequeno-almoço, ou não estivéssemos numa ex-colónia francesa, havia Croissants e Pain au Chocolat, sempre quentinhos.



É da praxe nestes pacotes turísticos haver um jantar de variedades. As variedades serão objecto de um texto à parte.
Isto é algo típico dos países árabes, mèzes. São entradas variadas, aqui não propriamente muito típicas, já que tínhamos lulas à sevilhana e chamuças. Mas eram boas, por isso, não tivemos reclamações a apresentar.



O prato principal era vaca estufada. Enquanto não se percebeu se era ou não borrego, ainda houve um certo frissom.
Entretanto, entraram as dançarinas e a maioria ficou no prato. Por isso, borrego ou não, não faria diferença.



Já a sobremesa era algo bastante incaracterístico, algo que se pode comer em qualquer tasca.
Ai, que saudades dos doces do hotel, parte um.



Também característico dos pacotes turísticos é um jantar num restaurante temático. Como a Mana é arraçada de esquisita, fomos ao italiano.
Os moços acertaram na massa, que estava agradável e até serviram porco, provando que não são fundamentalistas.


Já no Tiramisu a coisa correu mal.
Mas o Tiramisu deve ser a sobremesa italiana mais assassinado do mundo, por isso, os moços não estão sozinhos no lapso.
Ai que saudades dos doces do hotel, parte dois.


Mais uma coisa típica, dedos de Fátima. Sim, também se podem comer os dedos da filha do Profeta. A Fátima era uma moça versátil, a mão dá sorte, os dedos são comestíveis.
Isto é parecido com Briq, que é um triângulo frito e também outro ex-líbris da região.

10 comentários:

Hannah disse...

Sempre bons momentos gastronómicos :)

Precious disse...

É verdade, Hannah, é preciso experimentar as coisas novas e boas que se nos apresentam :)

Nikky disse...

Eu tive grandes reservas nas refeições fora do hotel... Arrisquei muito pouco.

Gi disse...

Eu adoro borrego e adoro cuscus.
Mr. Darcy faz cuscus maravilhosamente. ;)
Os doces dispenso (menos Mr. Darcy, claro).

Precious disse...

Eu gostaria de ter arriscado, Nikky, com a bênção do Lonely Planet, claro. Mas a Mana não deixou.

Gi, detesto borrego, mas como o cuscus, afastando-o para o lado. Ou optando pelo frango.
Eu não tenho um doce só para mim, por isso, atiro-me aos doces no plural.

Noiva Judia disse...

Parece-me quase tudo muito bem, excepto o que possa ter proveniência desse bicho nojento, o borrego!

Acho mal andarem a desmembrar a filha do profeta para fazerem iguarias e cheira-me que muita gente andará já a comer os dedos doutra gaja qualquer... A Fátima só devia ter 10, né?

velvetsatine disse...

Quer-me parecer que eu não iria passar fomica nenhuma na Tunísia! nham nham :-D

Precious disse...

Hum, eu adorei os dedos, Noiva, fossem de quem fossem. Pode ser de outra parenta chamada Fatima, afinal, por lá há muitas.

Velvetsatine, regra geral, para as pessoas que adoram comida exótica, o Magreb é um bom destino.

deKruella disse...

Eu nestas altura era capaz de te arrear...a mostrar assim comida no blog...principalmente doces!

Agora fiquei com vontade de dar uma trincadinha :p

Precious disse...

K, não me batas que eu gosto ;)
Olha só para os doces, não os comas. Por acaso, por estas bandas, marchava uma summer cup da Haagen Dazs.