quinta-feira, maio 06, 2010

No cinema - Eu Amo-te, Phillip Morris


Tremo sempre que vou ver filmes do Jim Carrey, porque já levei muitos barretes à pala deste senhor. Mas desta feita, não foi barrete.
Ora o filme lembra muito o "Apanha-me se puderes", mas em versão gay. Quem ficar facilmente chocado com cenas pseudo gays (sim, porque não são lá muito explícitas), é melhor ficar em casa. Houve comentários na sala de cinema de outros espectadores, que não devem ser muito perspicazes, porque quem olha para o cartaz, vê imediatamente que as personagens são homossexuais.
O Jim Carrey exagera em certas cenas e os tiques de ambos são talvez demasiado vincados. Mas a história do burlão gay que se apaixona na prisão é bem apanhada e prova mais uma vez que a realidade é mais estranha que a ficção (baseia-se em factos verdadeiros).
Dei o meu tempo por bem empregue.

5 comentários:

Hannah disse...

Tenho medo dos filmes do Jim Carrey, não tenho muita paciência. Já o senhor Ewan é outra história. Gostei da apresentação deste filme, mas isto anda tão mal de idas ao cinema que não sei...

Trivial: nos EUA (aquela terra de liberdade, igualdade e tal e tal), este filme foi directamente lançado em DVD e a capa é apenas com o Jim Carrey.

Precious disse...

Este podes ver sem medos, não ficarias desiludida.
Porque é que não estou admirada com a novidade dos EUA? Até fico surpreendida por ter tido distribuição livre na Europa, tendo tão pouca divulgação no país de origem.

Noiva Judia disse...

O Ewan é lindo, mesmo fazendo de gay!

Tirando isto, subscrevo tudo o que a camarada Precious disse.

velvetsatine disse...

Estou curiosa em relação ao filme. Sou uma fã incondicional de Ewan MaCgregor e o Jim Carrey deixou-me muito boa impressão com Eternal sunshine of the spotless mind e Man on the moon.

Precious disse...

Noiva, o rapaz está só a representar, mas mesmo que fosse gay, não deixava de ser um, pêssego.

Velvetsatine, o Sr. Carrey ora faz uns filmes péssimos, ora, escolhe uns projectos interessantes. Mas continuo a achá-lo muito exagerado. Se bem que aqui, não está nada mal, pelo contrário.